• Fernando Giannini

O que a mudança para a aprendizagem virtual pode significar para o futuro do ensino superior

As mudanças tectônicas na sociedade e nos negócios ocorrem quando eventos inesperados forçam a experimentação generalizada de uma nova ideia. Durante a Segunda Guerra Mundial, por exemplo, quando os homens americanos entraram em guerra, as mulheres provaram que podiam fazer o trabalho dos “homens” e fazê-lo bem. As mulheres nunca olharam para trás depois disso. Da mesma forma, o bug do milênio exigiu a grande utilização de engenheiros de software indianos, levando à triplicação de vistos de trabalho concedidos pelos Estados Unidos. Corrigir o bug permitiu que engenheiros indianos estabelecessem suas credenciais e os catapultassem como líderes mundiaisna solução de problemas de tecnologia. Alphabet, Microsoft, IBM e Adobe são hoje liderados por engenheiros nascidos na Índia.

No momento, a pandemia do Coronavírus está forçando a experimentação global do ensino remoto. Existem muitos indicadores de que essa crise vai transformar muitos aspectos da vida. A educação pode ser um deles se o ensino remoto provar ser um sucesso. Mas como saberemos se será? Quando esse experimento impulsionado pela crise arrancar, devemos coletar dados e prestar atenção às três perguntas a seguir sobre o modelo de negócios do ensino superior e a acessibilidade do ensino superior de qualidade.


Os alunos precisam realmente de uma experiência residencial de quatro anos?


Responder a essa pergunta requer uma compreensão de quais partes do modelo atual de quatro anos podem ser substituídas, quais partes podem ser suplementadas e quais são complementadas pelas tecnologias digitais. Em teoria, as palestras que requerem pouca personalização ou interação humana podem ser gravadas como apresentações multimídia, para serem assistidas pelos alunos em seu próprio ritmo e local.Tais partes comoditizadas do currículo podem ser facilmente entregues por um instrutor não universitário do Coursera, por exemplo; ensinar o teorema de Pitágoras é praticamente o mesmo em todo o mundo. Para esses cursos, as plataformas de tecnologia podem entregar o conteúdo a um público muito grande a baixo custo, sem sacrificar um dos importantes benefícios da sala de aula presencial, a experiência social, porque há pouca nos cursos de nível básico.


Ao liberar recursos de cursos que podem ser comoditizados, as faculdades teriam mais recursos para se comprometer com o ensino baseado em pesquisa, a solução personalizada de problemas e a orientação. Os alunos também teriam mais recursos à sua disposição, porque não precisariam residir e dedicar quatro anos completos nos campi. Eles fariam cursos comoditizados on-line à sua conveniência e a um custo muito mais baixo.


Eles poderão usar um tempo precioso que gastam no campus para eletivas, tarefas em grupo, horário de funcionamento do corpo docente, interações e orientação profissional, algo que não pode ser feito remotamente. Além disso, os campi podem viabilizar redes sociais, projetos baseados em campo e expedições globais de aprendizado, os quais exigem compromisso presencial. Este é um modelo híbrido de educação que tem o potencial de tornar a educação universitária mais acessível para todos.


Mas podemos mudar para um modelo híbrido? Estamos prestes a descobrir. Não são apenas os alunos que participam das aulas remotamente, mesmo os instrutores agora são forçados a dar essas aulas em suas casas. Os mesmos alunos e instrutores que se encontravam até algumas semanas atrás para os mesmos cursos, agora estão tentando métodos alternativos. Portanto, ambas as partes podem comparar suas experiências remotas e presenciais.


Com o experimento atual, estudantes, professores e administradores de universidades devem manter um registro de quais classes estão se beneficiando por serem ministradas remotamente e quais não estão indo tão bem. Eles devem manter salas de bate-papo que facilitem discussões anônimas sobre questões de tecnologia, design do curso, entrega do curso e métodos de avaliação. Esses pontos podem ajudar nas decisões futuras sobre quando – e por que – algumas aulas devem ser ministradas remotamente, quais devem permanecer no campus e quais aulas dentro do campus devem ser suplementadas ou complementadas pelar tecnologia.


Autor: Vijay Govindarajan

Autor: Anup Srivastava

Veja a matéria completa em: https://hbr.org/2020/03/what-the-shift-to-virtual-learning-could-mean-for-the-future-of-higher-ed

Receba as notícias sobre educação e tecnologia 

Fernando Giannini

 

E-mail:

fernando.giannini@streamer.com.br

logo-3.png

© 2020 por Fernando Giannini